BandeiraJoinville-1

BEM VINDO A JOINVILLE

Joinville é um município localizado na região nordeste do estado de Santa Catarina. Com uma área de 1125,70 quilômetros quadrados, possui uma população de 554 601 habitantes em 2014 (IBGE, estimativas), o que configura o município mais populoso do estado, à frente da capital, Florianópolis, o terceiro da Região Sul e o 36º do Brasil.

Sobre Joinville

Primórdios
Os registros dos primeiros habitantes da região de Joinville datam de 4800 a.C. Os indícios de sua presença encontram-se nos mais de 40 sambaquis e sítios arqueológicos do município. O homem-do-sambaqui praticava a agricultura, mas tinha na pesca e coleta de moluscos as atividades básicas para sua subsistência.

Índios tupis-guaranis (especificamente, carijós[10] ) ainda habitavam as cercanias quando chegaram os primeiros imigrantes europeus. No século XVIII, estabeleceram-se, na região, famílias de origem portuguesa, com seus escravos negros, vindos provavelmente da capitania de São Vicente (hoje estado de São Paulo) e da vizinha cidade de São Francisco do Sul. Adquiriram lotes de terra (sesmarias) nas regiões do Cubatão, Bucarein, Boa Vista, Itaum, Morro do Amaral e aí passaram a cultivar mandioca, cana-de-açúcar, arroz e milho, entre outros produtos.

Colônia Dona Francisca
Casa Enxaimel – Exemplo da herança germânica de Joinville
No dia 1 de maio de 1843, a princesa Dona Francisca Carolina, filha de Dom Pedro I, casou-se com o príncipe de Joinville François Ferdinand, filho do rei dos franceses Luís Felipe, e recebeu como dote de casamento um pedaço de terra próximo à colônia de São Francisco, hoje a cidade de São Francisco do Sul. Em 1846, o engenheiro Jerônimo Coelho viajou ao local para fazer a demarcação das terras.

Em 1848, o rei dos franceses Luís Felipe foi destronado e seu filho François se refugiou na Inglaterra. Ao começar a sofrer dificuldades financeiras, vendeu parte do território ao então dono da Sociedade Colonizadora Hamburguesa, o senador alemão Christian Mathias Schroeder, oito das 25 léguas recebidas como dote. O senador lançou, então, um projeto de povoação de parte desse território.

De acordo com o historiador Apolinário Ternes, o projeto iniciou‐se um ano antes da chegada da Barca Colon, que partiu de Hamburgo em 1851. Em 1850, veio o vice-cônsul Léonce Aubé, acompanhado de duas famílias de trabalhadores braçais, mais o engenheiro responsável das primeiras benfeitorias e demarcações do que viria a ser a nova colônia, e também do cozinheiro franco-suíço Louis Duvoisin. Louis Duvoisin veio ao Brasil anos antes com a expedição do 1842, o Benoît Jules Mure, na instalação fracassada do Falanstério do Saí. A barca Colon partiu de Hamburgo levando os primeiros imigrantes. No dia 9 de março do mesmo ano, a barca chegou ao local e foi fundada a Colônia Dona Francisca. A população foi reforçada com a chegada da barca Emma & Louise, com 114 pessoas. Em 1852, foi decidido que, em homenagem ao príncipe François, a cidade passaria a se chamar Joinville.[11]

Uma residência de verão foi construída para abrigar o príncipe e a princesa de Joinville, com um caminho de palmeiras em frente à casa. Entretanto, nenhum dos dois chegou a conhecer a cidade. A casa que foi construída para os príncipes atualmente é o “Museu Nacional de Imigração e Colonização – Palácio dos Príncipes de Joinville”, e a via à sua frente tornou-se a Rua das Palmeiras, hoje ponto turístico da cidade.

Educação

A cidade também orgulha-se de ter a melhor educação do estado. Por dois anos consecutivos (2010 e 2011) os primeiros colocados gerais no vestibular da Universidade Federal de Santa Catarina foram da cidade dos príncipes e por quatro anos consecutivos teve o melhor desempenho escolar do Exame Nacional do Ensino Médio do estado (Posiville em 2007, 2008, segundo melhor em 2009 e melhor em 2010, com 61% de participação dos estudantes, segundo o jornal A Notícia, e Bom Jesus Ielusc em 2009 e 2010, com 78% dos alunos inscritos, segundo a mesma fonte). No ensino superior, predominam os cursos de engenharia, sobretudo na Universidade do Estado de Santa Catarina, na SOCIESC e na Universidade Federal de Santa Catarina, devido às empresas de bens de consumo existentes na cidade. Por outro lado, a cidade carece de cursos voltados a áreas essenciais como as de licenciatura, obrigando muitos de seus moradores a mudarem-se para a capital, Florianópolis ou mesmo outros estados.

Em Joinville encontram-se as seguintes instituições:

Instituições de Ensino Básico (Infantil, Fundamental e Médio) de Joinville
Instituição Administração Religião
Sociedade Educacional Posiville Privada Laica
Colégio Adventista de Joinville Privada Adventista
Colégio Tupy – SOCIESC Privada Laica
Colégio Cenecista José Elias Moreira Privada Laica
Colégio Machado de Assis Joinville Privada Laica
Colégio dos Santos Anjos Privada Católica Apostólica Romana
Colégio da Univille Privada Laica
Escolas Internacionais de Joinville
Instituição Administração Religião
Escola Internacional SOCIESC Privada Laica
Instituições de Ensino Superior de Joinville
Instituição Administração Religião
ACE Privada Laica
Associação Educacional Luterana Bom Jesus/Ielusc Privada Luterana
Anhanguera Educacional Privada Laica
Centro Universitário – Católica de Santa Catarina (filial a PUC-PR) Privada Católica Apostólica Romana
Faculdade de Tecnologia Assessoritec Privada Laica
FCJ Privada Laica
IFSC Pública Federal Laica
INESA Privada Laica
SOCIESC Privada Laica
SENAI Privada Laica
SENAC Privada Laica
UDESC Pública Estadual Laica
UFSC Pública Federal Laica
UNIVILLE Privada Laica
Instituições de Ensino Superior à distância de Joinville
Instituição Administração Religião
UNIASSELVI Privada Laica
UNINTER Privada Laica
Anhanguera Privada Laica
UNISUL Privada Laica
Uniseb Privada Laica

 

fonte Wikipedia